quarta-feira, 3 de agosto de 2016

Doem-me as palavras

domingo, 6 de março de 2011


Doem-me as palavras

Doem-me as palavras que não disse
As que guardei apenas para mim,
As que adormeci no calor do peito,
Embrulhando-as num sono sem fim,
Procurando que jamais alguém as visse.

Doem-me as palavras que guardei
Querendo que elas nunca te despissem,
Calei-as no silêncio, mas mesmo assim 
Tive medo que ferido elas saíssem
E te ferissem ainda mais do que pensei

Recordo as outras que te disse
Quando me davas os teus braços
E me adormecias no calor do regaço
Revivo em cada dia aqueles traços
Como se ainda hoje ainda os sentisse.

Amordaço as saudades na garganta
Tenho medo de soltá-las  magoadas
Prefiro tê-las frescas na lembrança
Do que soltas sejam garras afiadas
Esquecendo tanto amor e esperança.
Luíscoelho

14 comentários:

  1. Relendo alguns dos meus poemas decidi partilhar.

    ResponderEliminar
  2. Bom dia

    Excelente poema, este! Adorei

    Beijo

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  3. Vale republicar.Lindo demais! abração,chica

    ResponderEliminar
  4. Luís meu amigo, mas que maravilha de sentimentos entrelaçados em palavras que guardamos no mais fundo do nosso intimo.
    Ai quantas vezes elas chegam a saltar mas no momento exacto as voltamos a engolir para que jamais vejam a luz do dia, é assim que chegando na hora da partida elas fazem parte da nossa alma, porque as palavras só magoam ou nos acarinham quando soltas e vão parar ao sitio errado.
    Tenha um santo e feliz final de semana com beijinhos de luz e paz para todos vós.

    ResponderEliminar
  5. Luís por agora só venho deixar o meu beijinho e desejar um bom fim de semana.

    ResponderEliminar
  6. Um poema com todo o sentimento à flor da pele. A excessiva vertigem das palavras que calamos deixa intacta a dor no coração...
    Beijos.

    ResponderEliminar
  7. Um rendilhado Poético feito de linhas de cores diversas; o todo, é uma Obra que não se pode esquecer.


    Abraço
    SOL

    ResponderEliminar
  8. Identificamo-nos com as palavras que não disse, nas que disse,
    nas que nos diz...
    Há muito bom senso em dominar as palavras...
    Um poema muito sentido e belo, Luis.
    Beijinhos e abraços para si e seus.
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
  9. Nostálgico e belo poema.
    Tantas são as palavras que ficam presas na nossa garganta e teimam em não sair.
    Beijinhos
    Maria

    ResponderEliminar
  10. Palavras que as vezes não dizemos, mais continua parada no coração por tempo indeterminado.Um poema muito belo. Que bom que postou novamente.
    Abraço e ótima semana!

    ResponderEliminar
  11. Há palavras, assim,
    caladas na memória:
    sobem da profundidade
    e incendeiam a noite
    de brilho, quando tu as dizes,
    nos versos do poema.

    Abraço

    ResponderEliminar
  12. O que mais fica calado, é o silêncio que ribomba pela Alma.


    Abraço
    SOL

    ResponderEliminar
  13. Muito bonito Luís. Nostálgico sentido e bonito.
    Um abraço

    ResponderEliminar